O serviço é disponibilizado pelo Truck Point, os pneus que não estão em condições são identificados, reparados e devolvidos em perfeitas condições.

Os principais benefícios para as frotas são: redução no consumo de combustível e prevenção de avarias

Estudos mostram que pneus que rodam com baixa pressão aumentam o consumo de combustível, e consequentemente as emissões de CO2. Por exemplo, um pneu com uma pressão recomendada de 9 bar utilizará mais 5% de combustível se rodar com uma pressão de 7 bar.

“A partir de estudos internos, podemos concluir que as frotas têm em média até 25% dos seus pneus a rodar com pressão 10% abaixo da pressão recomendada e até 5% com pressão pelo menos 20% abaixo do recomendado ”afirma Neil Purves, Senior Manager, Business Innovation, Commercial Products Division, Bridgestone Europe. “Com esta ‘média’ de pressões, o consumo de combustível pelas frotas será 0.6% mais elevado do que se todos os pneus estivessem a rodar com níveis de pressão recomendados.”

Rebentamentos de pneus nas estradas são frequentemente causados por furos de perda de ar lenta: um prego que perfure o piso pode ficar dias ou mesmo semanas aí antes que a perda de pressão se faça notar. Muitas vezes a perda de ar nem se nota e o pneu roda até perder por completo a pressão de ar. Neste caso, não só a assistência em viagem fica mais cara do que a regular mudança de pneus, como também o veículo vai ficar parado até que o serviço se realize e o valor da carcaça do pneu será perdido. Para além de que, o rebentamento do pneu equivale a que partes do pneu sejam projectadas para a estrada, causando situações muito perigosas para os outros condutores.

“O sistema TPMS da Bridgestone pode detectar a maior parte das vezes perdas de ar lentas devido a penetrações, permitindo a realização de uma reparação no local e, assim, evitar custos elevados de assistências nas estradas” diz Neil Purves, Bridgestone Europe.

Para além dos benefícios de economia de combustível e menos avarias, um pneu que rode com óptima pressão de ar irá ter uma vida mais longa e a carcaça estará em melhores condições para recauchutar.

Testes com utilização de milhares de sensores TPMS Bridgestone, na Europa, ao longo do ano passado comprovam claramente as vantagens: “Ficamos de imediato interessados quando ouvimos falar deste sistema,” diz Peter Eriksen, Technical Manager da CDK, um dos primeiros clientes a utilizar o TPMS da Bridgestone. “Ao utilizar este simples sistema em todos os nossos pneus nos veículos Arla na Dinamarca, Suécia e RU poupo-nos 350,000 litros de combustível e 945 toneladas de emissões de CO2 anualmente. Foi uma decisão espectável. Além disso, agora podemos detectar furos rapidamente e evitar potenciais avarias na estrada.”

Descrição do Sistema

O sistema consiste na montagem de sensores TPMS nas válvulas, posto de recepção nas portas da sua base, sistema de dados enviados para uma cloud e serviços do fornecedor de pneus.

O pequeno sensor utiliza a tecnologia patenteada de detecção de baixa pressão que envia um sinal a cada 6 segundos e cuja bateria dura pelo menos 3 anos. Foram desenvolvidas 3 versões para permitir uma montagem excelente independentemente da posição da roda no camião ou no autocarro. O sensor envia a leitura da pressão e temperatura bem como um ID para que seja corrigida a pressão para um veículo específico e para a posição da roda específica.

O portão receptor consiste em 4 postos de recepção que estão ligados a uma rede sem fios e são alimentados por uma bateria (carregada por um painel solar). Quando um veículo equipado com sensores TPMS da Bridgestone sai pelo portão, as torres recebem os dados do pneu e enviam-na regularmente para a base de dados da Bridgestone. Se for detectada uma pressão muito baixa essa informação é enviada instantaneamente.

Um receptor manual permite ao TPMS funcionar com o sistema T2i da Bridgestone; especialmente útil para localizações onde um portão exista.

O sistema de central de dados T2s recebe os dados do portão ou do T2i e faz corresponder a ID do sensor à frota, ao veículo e à posição da roda para determinar a pressão recomendada. A medição da pressão irá indicar se o pneu necessita da normal manutenção ou de uma acção urgente.
Caso seja necessária uma intervenção urgente (p. ex. a pressão é inferior a 20% da pressão recomendada), é enviada uma mensagem à frota e ao fornecedor do serviço que posteriormente coordenará se o veículo está imobilizado para se proceder à respectiva inspeção.

O fornecedor do serviço da frota da Bridgestone tem formação par gerir as mensgens recebidas e tomar as medidas relevantes de modo correcto e atempadamente.